Tratamento precoce contra a Covid-19 utilizado em Volta Redonda é reconhecido pelo Ministério da Ciência

Tratamento precoce contra a Covid-19 utilizado em Volta Redonda é reconhecido pelo Ministério da Ciência

Pesquisa apontou redução da carga viral com uso da nitazoxanida; mais de 400 pacientes foram tratados na cidade desde o início do protocolo

 

O protocolo utilizado em tratamento precoce da Covid-19 em Volta Redonda, com o medicamento nitazoxanida, foi reconhecido pela eficácia na redução da carga viral. A informação foi divulgada pelo ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, na segunda-feira, dia 19, na apresentação de uma pesquisa que mostrou resultados positivos, comprovando a eficácia do medicamento quando tomado em até 3 dias depois do início dos sintomas. Há cerca de quatro meses, a Prefeitura de Volta Redonda adotou o protocolo e o medicamento já foi disponibilizado para 402 pacientes do município. Sete deles ainda estão em tratamento.

 

Segundo o diretor do departamento de Assistência Farmacêutica, Alan Sombra, nenhum caso de agravamento e óbito foi registrado nos tratamentos que começaram nos três primeiros dias de sintoma da Covid-19. “Cinco pacientes tiveram agravamento após tomar o medicamento, mas eles só iniciaram o tratamento depois de cinco dias do aparecimento dos primeiros sintomas da doença. O agravamento se deu não por ineficiência do medicamento, e sim pelo fato dos pacientes tomarem depois do prazo preconizado pela Secretaria Municipal de Saúde, que é de três dias. Tivemos ainda dois óbitos. O primeiro foi de um paciente que também só tomou o medicamento após o quinto dia e o segundo porque abandonou o tratamento”, explicou Alan.

 

De acordo com o protocolo adotado em Volta Redonda, o medicamento deve ser ministrado assim que surgem os primeiros sintomas. O uso da nitazoxanida na rede municipal de Saúde é resultado de um convênio firmado pela prefeitura com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) no final do mês de junho, através do médico infectologista Edimilson Migowski. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o monitoramento desses pacientes mostrou que o tratamento freou a evolução da doença, evitando internações ou óbitos.

 

O tratamento com nitazoxanida é priorizado para pessoas acima de 40 anos com comorbidades (doenças que podem agravar o quadro da Covid-19) e os pacientes que fazem parte do grupo de risco, principalmente idosos e pessoas com doenças crônicas. A administração do medicamento é iniciada assim que identificados sintomas, antes mesmo da chegada do resultado do teste de swab, colhido na unidade de saúde.

 

A eficácia do protocolo ajuda a manter a capacidade de leitos para internação em casos graves da Covid-19 em Volta Redonda. Porém, o tratamento não deve substituir o isolamento social, o uso de máscara e a higienização das mãos como forma de prevenção.

 

A secretária municipal de Saúde, Flávia Lipke, orienta os pacientes que fazem parte do grupo de risco para a doença, principalmente idosos e pessoas com doenças crônicas, que procurem um dos polos de atendimento mais próximo de casa. “Ao notar os primeiros sintomas indicativos da doença a pessoa deve procurar a unidade mais próxima da sua casa. É importante ressaltar que o tratamento precisa ter início logo nos primeiros dias dos sintomas característicos da Covid-19. Caso haja indicação para o tratamento com a nitazoxanida, o paciente recebe a medicação”, disse a secretária.

 

Serviço

Os polos para atendimento de casos suspeitos da Covid-19 em Volta Redonda são as Unidades Básicas de Saúde dos bairros 249, São João, Vila Mury e Volta Grande, que ficam abertas das 8h às 22h, além do Centro de Doenças Respiratórias (CDR), que funciona no Hospital do Idoso.

 

Secom/VR

 

Leia também: